Respeite o ‘meu’ Nordeste

Acreditem ou não, o discurso de ódio contra o Nordeste e seu povo só aumenta. Eu, na minha pobre visão seletiva, por algum motivo, cheguei a crer que as piadas pejorativas e xingamentos tinham não acabado, mas quem sabe diminuídos. Ledo engano.

Hoje pela manhã, recebi no chat do Facebook um print feito pelo Felipe Martins, no qual os comentários em uma publicação acerca da decisão do deputado Waldir Maranhão sobre o impeachment, na mesma rede social, execram o nordestino. Juntamente com imagem veio a seguinte observação: “Você poderia escrever sobre isso”. Bingo!

Não é de hoje que temos o desprazer de ver e até mesmo ouvir, diversos brasileiros (com toda sua sapiência) saírem por aí dizendo que nordestino não sabe votar, que nordestino é preguiçoso, que nordestino invadiu as capitais de São Paulo e Rio de Janeiro e que eles, vejam só, são culpados da atual situação do Brasil. Pasmem. É no mínimo intrigante tais ofensas, não é?

Vamos aos fatos. Durante anos e anos, o Brasil sobreviveu – e muito bem – devido a extração do pau-brasil e da cana-de-açúcar, sendo considerada a região mais rica do país até meados do Século 18. “Ah, Bruno, mas isso faz é tempo”. Ok, vamos lá! Ela é a terceira região que mais contribui com o Produto Interno Bruto (PIB), perdendo apenas para o Sul e Centro-Oeste. E nem por isso o seu povo é rico. Quem já teve o prazer de visitar alguns dos seus estados sabe do que estou falando. Aliás, a TV está aí mostrando sempre a realidade do local.

Mas desde o início dos anos 2000, os nordestinos tiveram um considerável crescimento financeiro – ainda que pequeno – e, com isso, passaram a consumir mais, viajar mais e ganharam mais espaço e cada vez mais voz ativa. Penso que deve ser difícil para aqueles que se consideram da grande casta brasileira, saber que o povo agora tem vez, né? Coitados de vocês!

Mas vamos falar de coisa boa? Arte! Sabe quando você utiliza frases para ilustrar suas fotos no Instagram e dão os créditos para Ariano Suassuna, Jorge Amado, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz, Augusto dos Anjos, Ferreira Gullar, Guimarães Rosa e fica todo pomposo achando que vão te considerar o ‘inteligentão’? Pois é, vou te contar um segredo: TODOS ELES SÃO DO NORDESTE.

Sabe quando você saí por aí cantando músicas de personalidades como Pitty, Chico Science, Daniela Mercury, Nação Zumbi, Reginaldo Rossi, Herbert Vianna, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia? Acredita que TODOS ELES SÃO NORDESTINOS?! Meu Deus, ia esquecendo de Ivetão. Sim, ela veio lá de Juazeiro, interior da Bahia, que fica sabe em que lugar do Brasil? Nordeste!

E “Tropa de Elite” é bem legal, né? Povo adorava usar o bordão “pede pra sair 02”. O protagonista do filme, o ator Wagner Moura, é filho legítimo do NORDESTE. Nasceu em Salvador e é considerado pela crítica internacional um dos melhores atores brasileiros da atualidade, quiçá o melhor. É muito orgulho, né não? Isso porque nem falei do talentoso Lázaro Ramos. Fica para a próxima.

Quem lembra de “Tieta”, “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “O Auto da Compadecida”? Preciso nem dizer mais nada, né? E oh, nem vou entrar no quesito religião, pois tá para nascer população para ser tão religiosamente linda.

Sabe acarajé, vatapá, carne de sol, paçoca, baião de dois e todas essas gostosuras que não resistíamos? São típicas lá do Nordeste, aquele Estado que sempre recebe todos com um grande sorriso no rosto e que mesmo diante de tanta dificuldade, não perde seu brilho, não perde se humor.

E por falar em humor, sabe quando você liga a TV e se pega rindo de piadas feitas por Tom Cavalcante, Chico Anysio, Tiririca e afins? Então, eles vieram lá do Nordeste, região que, como vocês podem perceber, é terra de produzir gente talentosa e que conquista não apenas o Brasil, mas o mundo. Nordestino nasceu foi para brilhar.

Portanto, antes de disparar por aí esse discurso de que nordestino é um povo desprovido de inteligência, procure saber de quem é a falta de inteligência. Procure saber a realidade daqueles que sempre foram acostumados a conviver com o preconceito das grandes capitais por terem um sotaque “diferente” ou por se comportarem “diferente”. Afinal de contas, ser “diferente” está na moda. Respeitem o “meu” Nordeste e o povo nordestino. Eles não tem culpa se vocês não possuem alcance para entendê-los. Ôxe! Até!


Êta maravilha!


Viva o povo do Nordeste!

Jornalista, aquariano, ruivo e temperamental
Gostou? Compartilha com seus amigos, obrigado =)

    4 comments

    1. Sou Paulistano da gema, felizmente há 24 anos resido em Recife e hoje consigo ver o quanto o sulista é preconceituoso com o povo NOrdestino.

      Este texto é maravilhoso

      Parabens..

      1. Ademir, sou nortista e com muito orgulho. E o que acontece com os nordestinos, também acontece conosco, mas claro que numa escala beeem menor. afinal, nós somos ‘invisíveis’. E é difícil se colocar a pele do outro, mas você conseguiu. Parabéns por adotar uma cidade do Nordeste. Viva!

    2. Macho eu tô aqui com lágrimas nos olhos, justo eu que sou bruto e grosso igual morão de cancela, obrigado estou me sentindo em paz e orgulhoso com suas palavras, minha terra natal é ilhéus na Bahia, mais meu coração é sertanejo, amo esse povo é onde chego falo com respeito da minha terra e com amor que Deus abençoe vc por se dirigir a esses preconceituosos com o respeito que eles nem merecem, mais isso prova que somos sim um povo inteligente e muito educado.

      1. Robson do céu, faça isso comigo não. Meu coração não aguenta! Que lindas palavras. Obrigado por tanto carinho, de verdade. Obrigado!

    Comments are closed.

    Bruno Mazieri

    Jornalista, aquariano, ruivo e temperamental

    Style Selector

    Colors

    Layout Style

    Patterns for Boxed Version

    Images for Boxed Version