Natal do perdão

Nunca fui muito fã do Natal. Sei lá, acho triste, apesar de que, como cristão, deveria ficar bastante feliz, tendo em vista que é celebrado o nascimento de Jesus. Ok, deixando as crenças de lado, continuo achando uma data triste. Peço perdão àqueles que começam a me julgar neste momento. Porém, ao acordar na manhã deste dia 24, véspera de Natal, decidi que precisava colocar em prática o perdão. Segundo minha vó Zenir, é uma forma de deixar para trás sentimentos negativos e, que muitas vezes, atrapalham a nossa caminhada “nesse mundão de Meu Deus”.

Portanto, perdoo todos aqueles que, em algum momento me desejaram o mal. Perdoo todos que me xingaram, me ofenderam, me agrediram – mesmo que com palavras. Perdoo quem achou que sabia mais da minha vida que eu e, por isso, me apontou dedos e jogou pedras.

Perdoo os atendentes dos restaurantes que me trataram mal. Perdoo aquelas pessoas que não esperam a gente sair do elevador para entrar. Perdoo também aqueles que apertam os dois botões, mesmo sabendo que eles querem subir ou descer, apenas. Perdoo aquela senhora que vive naquele posto de gasolina do São Jorge e que me assustou pedindo Toddynho, me fazendo gritar.

Perdoo todos os políticos fascistas e que, de alguma forma, me fizeram chorar de tristeza. Perdoo quem rouba, mata. Perdoo políticos que preferem ter os bolsos cheios de dinheiro do que salvar vidas. Perdoo quem não tem a capacidade de tratar um ser humano como ele merece. Perdoo quem bate e humilha professores. Perdoo quem mata e maltrata animais. Vamos pegar leve, gente!

Perdoo quem abandona filhos nos lixos de todo o país. Perdoo quem é intolerante com religião. Aliás, perdoo aqueles que matam em nome de Deus. Deus é vida e não morte. Mas vocês estão perdoados. Creiam! Perdoo quem invade os terreiros e quebram imagens que, para muitos, representam apenas amor. Perdoo quem julga aqueles que acreditam em imagens de santos. Perdoo, perdoo e perdoo.

Perdoo quem julga o casamento e adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo. Perdoo quem é fiscal da vida sexual alheia. Perdoo quem ofendeu a Fabíola (aquela da traição). Perdoo quem mentiu. Perdoo quem criou inverdades na internet e, com isso, espalhou ódio.

E peço perdão para todos aqueles que, de alguma forma, eu acabei magoando. Mas somente àqueles que eu, realmente, fiz algo e não que inventaram que eu fiz algo, por favor. No mais, minha mente está tranquila e minha alma plena. Um feliz Natal para todos e obrigado por tudo! <3

1 responder

Deixe uma Resposta

Quer entrar no debate?
Fique à vontade para contribuir respeitosamente com o bate papo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.